Santuário em construção na Década de 80
Santuário em construção na Década de 80

Para entender como se deu a fixação da Paróquia Coração de Jesus é necessário que se entenda primeiro a criação do seu bairro-sede.

Um dos mais populosos bairros da região Sul de São José dos Campos – aproximadamente 36 mil pessoas – o Bosque dos Eucaliptos surgiu na segunda metade da década de 70 a partir de projetos elaborados de acordo com as leis municipais de uso do solo. Relatos históricos obtidos junto à Prefeitura Municipal de São José dos Campos apontam que até meados de 1976, as aglomerações habitacionais existiam na região onde hoje se situa o bairro vizinho, Jardim Satélite, devido à ocupação da São Paulo Alpargatas, fábrica do ramo de calçados.

Os terrenos que hoje caracterizam o Bosque dos Eucaliptos pertenciam a Companhia Satélite de Terrenos – CST, responsável pela iniciativa de expansão. Os primeiros pedidos de liberação para instalação de um novo bairro remontam aos anos de 1974 e 1975, mas foi só em meados de 1977 que as obras começaram a dar as características da nova região, que as faziam parecer com as super quadras de Brasília, com trechos voltados exclusivamente à habitação, outros ao comércio e outros ainda, em menor área, exclusivamente para uso coletivo e áreas verdes. Nessas áreas surgiram escolas, algumas praças, hospitais e, especialmente em uma dessas, a Paróquia Coração de Jesus.

 

Santuário nos dias de hoje
Santuário nos dias de hoje

Oficialmente, a igreja católica do Bosque dos Eucaliptos surgiu em 16 de junho de 1985, mas sua história começa a ser construída em 1981, o ano da criação da Diocese de São José dos Campos. O bispo eleito para administrar a igreja particular que fora desmembrada da Diocese de Taubaté, hoje cardeal arcebispo dom Eusébio Oscar Scheid, tinha como residência episcopal uma casa na Avenida Ouro Fino, uma das principais do bairro, local onde a comunidade que ali morava reunia-se para rezar a missa. Com o crescimento do número de fiéis, as celebrações foram transferidas para um terreno arborizado, hoje uma das áreas verdes do bairro. Mas o crescimento da comunidade foi tanto que foi iniciada a construção de uma igreja, no ano de 1983, chamada de Igreja do Coração de Jesus e inaugurada pelo bispo diocesano. Essa igreja-mãe na comemoração do Jubileu de Prata da Paróquia Coração de Jesus, foi abençoada e intitulada como já era carinhosamente de costume desde a sua criação: Santuário Coração de Jesus.

 

Igreja Coração de Maria
Igreja Coração de Maria

A evolução da Paróquia Coração de Jesus acompanha o crescimento do bairro e é fiel às características de seu povo. Ao longo da década de 90 e 2000 e com a passagem de vários padres, a Paróquia construiu e administrou mais duas igrejas, duas capelas, um centro de pastoral, uma casa de retiros, além de contribuir socialmente com uma obra social e creche assistencial e ter possibilitado o desmembramento de uma de suas comunidades, a Nossa Senhora Aparecida, para a criação de uma nova paróquia, a Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no Parque Interlagos, também região sul de São José dos Campos.

Ao longo de seus anos de história, uma das maiores características da Paróquia Coração de Jesus se encontra na participação de sua comunidade.

Isso se deve em parte às Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) aqui implantadas pelo primeiro bispo diocesano, com um espírito missionário e assistencial. Os grupos que a esse movimento se dedicam tem função de expandir a fé que professam e o culto como forma de expressão dessa fé, ou seja, são responsáveis pela promoção humana dentro do campo da evangelização.

 

Capela Nossa Senhora de Fátima
Capela Nossa Senhora de Fátima

Além da atuação das CEBs, outros movimentos e pastorais voltadas aos ministérios da Igreja, à valorização da vida, da família, da ação missionária e do ensinamento de doutrina, bem como ao ecumenismo e diálogo inter-religioso, ao serviço da caridade, da cultura, da educação e da comunicação, tem considerável participação de toda a comunidade, que não está presente apenas nas missas realizadas aos finais de semana – cabe aqui a estatística de que são celebradas oito missas no final de semana, sendo seis dominicais, com participação média de 10 mil pessoas ao todo – mas também e vários momentos de fé, união e confraternização de toda a comunidade.

Conversas de campo com paroquianos para esse trabalho mostraram que diversos trabalhos confiados a cada pastoral e movimento nas atividades da Paróquia levam a uma comunhão fraterna e profunda experiência de espiritualidade e resgate da fé entre todos, principalmente em momentos fortes como a novena e festa do padroeiro, o Coração de Jesus.